O dia começou frio e muito cedo as equipes e cavalos se preparavam para a largada da prova de 120 kms no Haras Endurance, em Bragança Paulista, a prova mais tradicional de Enduro Equestre das Américas.

Relinchos, conversas nas cocheiras, escovadelas nos cavalos e às 6 da manhã largaram os adultos e os Young riders para cumprir a jornada dos 120 kms de trilhas, em velocidade.

Mais tarde largariam as demais categorias: 100 kms, 80kms, 60kms, todas de velocidade livre e as categorias de regularidade: 40kms e 20kms.

Num dia de temperatura amena e paisagens lindas, os quilômetros passaram e o que se via eram enduristas felizes, famílias apoiando os conjuntos, cavalos galopando pelas trilhas.

Mas nem tudo são flores em uma prova de enduro. Por serem muitos quilômetros, os conjuntos estão sujeitos a percalços. Nessa prova de Bragança uma de nossas youngs caiu com o cavalo que ficou preso em uma cerca. Mas enduristas são sobretudo família. Enquanto uns ficaram com a amazona, outros buscaram ajuda e tudo se resolveu. Cavalo e amazona passam bem.

Entre os enduristas sempre se diz que…quem monta cai e depois se levanta. Foi o que aconteceu.

Provas de enduro são assim: muitas horas em cima do cavalo. Sabe-se a hora da largada mas não se sabe a hora da chegada ou se a prova será completada. São muitos quilômetros e muitas possibilidades: o cavalo pode não passar na checagem veterinária (realizada entre os anéis da prova), o cavaleiro/amazona podem cair durante a prova, o conjunto (cavalo/cavaleiro) pode se perder, enfim, são sempre muitas variáveis em uma prova longa.

Para quem não conhece, o Enduro Equestre é uma prova de resistência, com categorias de 160kms a 20kms onde a principal regra é a preservação do cavalo. Por isso a prova é feita em anéis. Por exemplo na prova de 120kms do Haras Endurance o primeiro anel tinha cerca de 30 kms e era da cor amarela. Cumprido o anel o cavalo deve ser apresentado para a checagem veterinária. Se o cavalo passar pelo vet-check  irá para o segundo anel da prova que terá outra quilometragem e cor diferente e assim por diante até se cumprir a quilometragem total da prova. Nas provas de velocidade ganha quem chegar primeiro e não for desclassificado na checagem veterinária final. Nas de regularidade vence aquele que fizer a prova dentro do tempo e apresentar o cavalo com o batimento cardíaco mais baixo.

Batimento cardíaco? Sim, esse é um dos parâmetros que os veterinários checam no vet-check para mensurarem o nível de condicionamento físico do animal. Quanto melhor ele se recuperar significa que mais treinado está para cumprir os desafios da prova. Sabe aqueles relógios de batimento cardíaco que os corredores usam? Pois é, no enduro os cavalos também usam relógios iguais. Mas, se pensarmos bem, até que faz sentido, pois esses cavalos de enduro são verdadeiros maratonistas.

Fotos: Ze Moreau